Investigado por corrupção, ex-prefeito de Araucária se entrega à polícia

 

Foto: divulgação

Fonte: Banda B

O ex-prefeito de Araucária Olizandro José Ferreira (foto) se apresentou ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e foi preso na tarde desta terça-feira (10). Ele teve o mandado de prisão decretado durante a Operação Sinecuras, que investiga crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, peculato, crimes contra licitações, falsidade ideológica e estelionato.

De acordo com informações do Gaeco, Olizandro foi recebido pelo promotor Fernando Cubas e nem mesmo chegou a ser ouvido. Ele foi encaminhado à cadeia por volta das 17 horas.

Segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), operação investiga, entre outros crimes, pagamentos a três vereadores e sete ex-vereadores, feito por pelo menos três empresas que tinham contratos com a Prefeitura, para compra de apoio a projetos do Executivo de interesse das empresas. Os valores pagos somam aproximadamente R$ 120 mil mensais, e o acordo em troca de apoio permitia aos vereadores a indicação de pelo menos cinco servidores para ocupação de cargos em comissão na prefeitura (alguns vereadores chegaram a indicar ocupantes para 11 cargos comissionados). A situação durou de janeiro de 2013 a julho de 2016, totalizando pagamentos de aproximadamente R$ 5 milhões, segundo as investigações. Os três vereadores que continuam nos cargos tiveram seus mandatos suspensos.

Outra denúncia investigada é a aquisição de um imóvel com valor superfaturado, por R$ 1,84 milhão, pela extinta Companhia de Desenvolvimento de Araucária (Codar), em agosto de 2016. Avaliações do imóvel indicaram um valor de no máximo R$ 1,1 milhão. A área estava sendo objeto de disputa judicial, por parte de terceiros que reivindicavam sua posse. Foram impostas aos proprietários do terreno medidas alternativas à prisão (comparecimento mensal em Juízo, proibição de se ausentar da cidade sem autorização e proibição de manter contato com os envolvidos nos fatos investigados). Por envolvimento nesse fato, Olizandro e mais um ex-prefeito, os servidores ligados à Codar e os proprietários do imóvel tiveram bens sequestrados por ordem da Justiça.

Ao todo foram cumpridos 21 mandados de prisão (sendo 19 preventivas e duas temporárias) e 22 mandados de busca e apreensão ao longo da operação.

CINCO DOS DEZ VEREADORES OU EX-VEREADORES PRESOS JÁ ESTÃO EM LIBERDADE

De acordo com o Jornal O Popular, cinco Vereadores ou Ex-Vereadores que foram presos nas operações tiveram pedidos de habeas corpus deferidos pelo Tribunal de Justiça do Paraná na tarde desta terça-feira, 10 de abril. São eles: os ex-vereadores Alex Nogueira (PSDB), Pedrinho Nogueira (Podemos) e Pedrinho da Gazeta (MDB), além do vereador Vanderlei Cabeleireiro (DEM). Mais cedo, o desembargador já havia mandado liberar o também vereador Francisco Carlos Cabrini (PP).

A principal fundamentação para soltura do grupo foi o fato de o juiz Sérgio Bernardinetti ter decretado a prisão preventiva dos acusados quando o que havia sido pedido pelo MP era a prisão temporária.

A decisão não impede um novo decreto de prisão temporária ou mesmo preventiva, desde que observados o que prevê a legislação vigente.

Como as decisões saíram só no final da tarde, os beneficiados pelas solturas só deverão ganhar as ruas ao longo desta quarta-feira (11).