Mais de 340 mil trabalham ou estudam em outra cidade na RMC

Mais-de-340-mil-pessoas-saem-de-uma-cidade-para-trabalhar-ou-estudar-em-outra-na-RMC

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última semana, mostra que pouco mais de 340 mil pessoas saem de uma cidade para trabalhar ou estudar em outra na região metropolitana de Curitiba. Entre os moradores da região metropolitana, o maior fluxo é com destino à capital, mas ao todo o número de deslocamentos entre cidades chega a 115. Os dados são referentes ao ano de 2010.

Curitiba é a cidade com maior número de pessoas nesta condição. São 295 mil pessoas que saem da capital para trabalhar em municípios próximos. Colombo é a segunda cidade da região com maior número de pessoas que saem para trabalhar, com 73.890, seguido por São José dos Pinhais, com 62.252.

O arranjo de Curitiba é o sexto maior do país e conta com 18 municípios. Hoje, 14 municípios integram a Rede Integrada de Transporte Coletivo. São 2.270.000 passageiros por dia e 1.945 ônibus, que percorrem 356 linhas diferentes.

Nacionalmente, mais da metade da população brasileira (55,9%) residia, em 2010, em municípios que formavam os arranjos populacionais, ou seja, agrupamentos de dois ou mais municípios com forte integração populacional, devido aos movimentos pendulares para trabalho ou estudo, ou à contiguidade entre manchas urbanas.

Isso representava 106,8 milhões de pessoas em 294 arranjos, formados por 938 municípios. Deslocavam-se, entre os municípios do próprio arranjo a que pertencem, 7,4 milhões de pessoas, por motivo de trabalho e/ou estudo. Levando-se em conta que 27 arranjos são fronteiriços, ou seja, formados também por unidades político-administrativas em outros países, o número de residentes totalizava 107,7 milhões.

Além de possibilitar um maior conhecimento da realidade urbana brasileira, o estudo fornece subsídios adicionais para a elaboração de políticas públicas, assim como, estimula a parceria entre os municípios envolvidos.

Fonte: Banda B