Quadrilha está tentando aplicar o golpe do sequestro em Contenda

Alexsandro Wojcik

Vários moradores de Contenda estão recebendo ligações de criminosos nesta semana. As ligações estão sendo feitas às residências e até mesmo aos estabelecimentos comerciais da cidade. Na abordagem, geralmente um homem e uma mulher se apresentam do outro lado da linha. O homem se apresenta como sequestrador e afirma estar com uma familiar da vítima. Para convencer a vítima de que se trata realmente de um sequestro, a mulher, do outro lado da linha, chora e pede socorro, se passando por filha ou esposa de quem atendeu a ligação, numa tentativa de concretizar o golpe. Se alguém acredita no suposto sequestro, o homem pede dinheiro via depósito bancário para liberar a familiar sequestrada.

De acordo com especialistas em segurança pública, no caso de receber uma ligação telefônica ameaçadora narrando o sequestro de um parente, é necessário procurar manter a calma para ter condições de identificar a veracidade dos fatos. Na maior parte das tentativas desse famigerado golpe, o marginal ameaça a vítima a todo momento e determina que o telefone ou celular não seja desligado em hipótese alguma; a pressa do suposto sequestrador também é uma das principais características do falso sequestro por telefone e o valor solicitado para o resgate é sempre pequeno, girando em torno de 1 a 10 mil reais; às vezes o criminoso solicita apenas o pagamento de créditos para telefones celulares pré-pagos, já que muitos dos criminosos aplicam o golpe de dentro das penitenciárias; muitas vezes, ainda, o negociador aceita qualquer quantia e abaixa os valores a pedido da própria vítima; o suposto sequestrador também não permite que a vítima converse com o suposto sequestrado em hipótese alguma e não dá nenhum tipo de informação sobre as circunstâncias em que o suposto sequestro foi praticado, como hora e local exato em que a pessoa foi capturada e suas as vestimentas; por fim, o fato de o bandido fornecer uma conta bancária para depósito do dinheiro é o mais forte indício de que se trata de um golpe e não de um sequestro.