Prepare o bolso: conta de luz sobe mais de 36% no Paraná a partir de segunda (02)

27-02

Luz sobre quase 40% a partir de segunda, em todo o Estado. Foto: divulgação.

A tarifa média da Companhia Paranaense de Energia (Copel) vai subir 36,4% a partir de segunda-feira (2). O reajuste extraordinário, anunciado nesta sexta-feira (27) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), é o quarto mais alto dentre as 58 distribuidoras de energia que terão sua tarifa elevada. Na média nacional, o efeito percebido pelos consumidores, ponderado pela receita das distribuidoras, será de 23,4%, segundo a Aneel.

Normalmente, cada concessionária tem direito a um reajuste por ano – o da Copel ocorre no dia 24 de junho. No entanto, existia o temor de quebra de várias empresas caso elas tivessem de suportar muito mais tempo sem repassar ao consumidor o aumento de custos que sofreram de 2014 para cá.

O reajuste extraordinário servirá para compensar o encarecimento da energia de Itaipu e o fim dos repasses do Tesouro à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que criou um rombo da ordem de R$ 23 bilhões para ser rateado entre todos os consumidores brasileiros. Caso os aportes do Tesouro continuassem, o valor do rateio seria bem inferior, de R$ 1,7 bilhão.

Esses R$ 23 bilhões servirão para cobrir a diferença entre o que as distribuidoras estão gastando para comprar energia – as despesas subiram por causa do uso intenso de usinas termelétricas, a fim de poupar reservatórios – e o que elas vinham cobrando dos consumidores.

Além do rateio da CDE, as concessionárias das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste estão arcando com o aumento do custos da energia de Itaipu, que representa em torno de 20% do suprimento dessas empresas. Neste ano, as tarifas da hidrelétrica foram reajustadas em 46%, em dólar. Como a moeda norte-americana está mais cara, o aumento em reais fica ainda mais forte.

Segundo a Aneel, o principal motivo para o aumento da tarifa de Itaipu foi o “cenário hidrológico adverso de 2014”. Por causa da falta de chuvas, a usina produziu menos no ano passado. Para honrar seus contratos com as distribuidoras, teve de comprar energia no mercado de curto prazo pagando o Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), que passou boa parte do ano acima de R$ 800 por megawatt-hora (MWh). Esse aumento de custos, suportado por Itaipu ao longo de 2014, está sendo agora repassado às distribuidoras e, consequentemente, ao consumidor.

Fonte: Gazeta do Povo.