Presa quadrilha que tentou roubar carro-forte de mercado em Araucária

 

atila-alberti

Foto: Átila Alberti

Baleado pelos próprios comparsas durante tentativa de roubo a um carro-forte que abastecia os caixas eletrônicos do hipermercado Condor no bairro Costeira, em Araucária, um adolescente de 17 anos foi abandonado pelo grupo em um matagal. O garoto, que sobreviveu e foi hospitalizado, contribuiu para as investigações do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), que levaram à identificação de sete suspeitos de integrar a quadrilha: dois morreram em outras ocorrências e três estão presos.

Pelo menos seis pessoas – entre elas, o adolescente que fazia parte do grupo e uma criança de cinco anos – ficaram feridas durante o crime, que ocorreu em um domingo à tarde – dia 7 de agosto deste ano. Ninguém morreu. “Foi um crime que chamou muita atenção e trouxe uma insegurança muito grande, diante da gravidade e pela ousadia dos assaltantes”, afirmou o delegado Rodrigo Brown, do Cope.

Os policiais receberam informações de que o garoto tinha dado entrada no Hospital do Trabalhador, vítima de arma de fogo, logo após a tentativa de assalto. “Por alguns dias insistimos no interrogatório do menor, que no começo negava a participação e alegava ter sido baleado por um desafeto da sua namorada”, disse Rodrigo. As investigações comprovaram que o adolescente estava no local do crime, e ele acabou confessando à polícia.

“Com as informações passadas por ele, conseguimos identificar quase todos os membros da quadrilha e descobrimos que o mesmo grupo tinha envolvimento em um assalto nos mesmos moldes a um supermercado em Santa Catarina, em dezembro do ano passado”, explicou o delegado.

Integrantes

Dois suspeitos identificados morreram em confronto com a polícia, em ocorrências distintas: Ederson Van Dall, no dia 23 de agosto, e Valdir Weiber, vulgo Chico Bento, em 12 de setembro. Foram presos pelo Cope Jonatan Tiago Pinto Furtuozo que, segundo as investigações, era o informante dentro do hipermercado; Emerson Alves de Miranda, conhecido como Galeguinho; Jonatas Gonçalves Mouro, o “Jotinha”, motorista de um Corsa usado no crime.

Ainda estão foragidos dois suspeitos: Alesson Dilmar Cordeiro, dono de uma oficina onde os veículos eram adulterados e as armas guardadas; e Cristiano Marinhak, o “Tiana”. Na oficina de Alesson, de acordo com o delegado, os carros foram “preparados” para a ação. “Uma Doblo estava com várias chapas de aço dentro do veículo, simulando uma blindagem, já prevendo um confronto com armas de grosso calibre”. Os carros eram roubados; e dois membros da quadrilha foram reconhecidos pelas vítimas.

O irmão de Cristiano, Cleverson Marinhak, foi preso em flagrante durante a operação que prendeu os integrantes do grupo, com um revólver calibre 22. A polícia investiga se ele também participou da tentativa de roubo. O garoto baleado foi apreendido e encaminhado à Delegacia do Adolescente.

Fonte: Tribuna do Paraná